1 de abril de 2014

PASTÉIS DE NATA - "Dia Um... Na Cozinha"







Aviso à Navegação:  publicação muito longa !!!  :)



Quem me conhece e acompanha sabe da minha inequívoca paixão pelo Chocolate, o que me levou a criar há 2 anos atrás um Blog dedicado ao Rei ! 
O que nem toda a gente sabe é que existe um bolo que com ele compete a par passo, em todos os minutos da minha vida, pela minha escolha e preferência...

Quem ganha e recebe a medalha de "o grande eleito" ?
Bem... o Chocolate de facto está sempre no pedestal quando se trata de escolher !
Mas devo dizer que 99% de mim vacila na hora da "sentença final"...

Esta publicação acaba de trair o meu grande segredo :)




Os DELICIOSOS Pastéis de Belém são de facto uma das minhas maiores perdições no que toca a bolos tradicionais, embora eu adore outros... doces conventuais então nem se fala... perco-me por alguns deles...

Mas os Pastéis de Belém (digam o que disserem a respeito deles), eu aprendi a venerar desde a minha infância quando o Pai nos levava ao Domingo à Antiga Confeitaria de Belém, (que existe desde 1837) para os comer com açúcar em pó e canela !

Os Pastéis de Belém não são iguais aos Pastéis de Nata, pois a sua receita está religiosamente guardada a 7 chaves no segredo dos Deuses desde sempre !
Os Pastéis de Nata e os Pastéis de Belém são bolos de facto inigualáveis em sabor e, contrariamente ao que muitas pessoas pensam, não levam natas na sua confecção ! 

Nesta 11 ª edição do "Dia Um... Na Cozinha", o tema escolhido foi "Doçaria Regional" e, se por um lado o tema me agrada a 100 %, passa-se que também me deixou ansiosa e pouco à vontade !
 



É que eu adoro doces regionais, mas nunca tinha feito nenhum em especial.
Quando o tema foi escolhido, eu ainda vacilei entre um ou outro, mas no meu intimo eu sabia que a escolha iria recair sobre a réplica da minha perdição: os Pastéis de Nata
Até aí tudo bem ! :)
O problema é que nunca eu tinha feito massa folhada caseira, embora ande há muito tempo para experimentar fazer e este desafio era o motivo perfeito para eu tentar confeccioná-la de raíz !

Não digo que sempre passe a fazê-la, pois se o processo não é difícil, a verdade é que é trabalhoso e moroso pelos tempos de espera entre as dobras da massa !
 
Fiz duas vezes e não ficou como eu pensei que pudesse ficar.
Algo não correu bem e penso ter sido o tipo de margarina/manteiga que usei.
Recomendam margarina para folhados na maior parte das receitas, mas nunca a encontrei nas grandes superfícies e além do mais li algumas pessoas dizerem que tinham feito com a normal e tinha resultado.



 

Na primeira vez usei margarina, mas a massa não folheou como as que se vêem por aí.
Na segunda vez usei manteiga sem sal, também não folheou como eu tinha esperança que folheasse.

Dei-lhe todas as voltas devidas, tal como poderão ver no passo-a-passo que apresento, a massa está muito saborosa de facto, mas não está folheada como a de compra ! :( :(

Confesso que fiquei desiludida, tanto trabalho e....






Um pouco da história dos Pastéis de Belém...

"Um aroma a canela espraia-se pela zona e a cem metros de distância já se sente a aproximação a um dos locais “sagrados” da doçaria mundial: resistindo à industrialização, à venda ou ao "franchising", os Pastéis de Belém continuam a ser um dos melhores embaixadores de Lisboa. Todos caem na doce tentação.
Na zona de Belém, ponto turístico obrigatório de Lisboa, há uma pastelaria muito especial, cuja fama corre mundo: “a única e verdadeira fábrica dos Pastéis de Belém”. Durante todo o dia, todos os dias do ano, cerca de dez mil pastéis, artesanais, totalmente feitos à mão, saem dali fresquinhos, prontos a comer.

Reza a lenda que, tal como em relação a quase toda a outra doçaria tradicional portuguesa, a origem dos Pastéis de Belém terá sido uma receita conventual do vizinho Mosteiro dos Jerónimos. Com a revolução Liberal, em 1820, as ordens religiosas foram extintas em Portugal, e os seus conventos nacionalizados. Os trabalhadores laicos que lá viviam, entre eles os pasteleiros, foram arranjando emprego cá fora. Parece que o doceiro dos Jerónimos, detentor da preciosa receita, foi trabalhar para uma refinaria de açúcar das proximidades, e dentro de pouco tempo os “verdadeiros Pastéis de Belém” eram vendidos ao público.

O êxito foi imediato entre os alfacinhas (habitantes de Lisboa), que corriam a comprar o novo doce. 
Depois, foi a notoriedade nacional. 
Com o aparecimento do turismo de massas, em meados do século passado, a fama dos Pastéis de Belém tem corrido mundo, de Nova Iorque ao Japão.
Não admira que, com este êxito, muitos tenham tentado, em Portugal e no estrangeiro, imitar o produto. Mas, até agora, sem resultados. 
O primeiro doceiro, o tal que veio do Mosteiro dos Jerónimos, trabalhava de madrugada, em segredo, fechado num quarto, onde não deixava ninguém entrar, enquanto misturava os ingredientes na proporção certa, tal como lhe tinha ensinado o frade inventor da receita.
Acautelando imitações, o dono da pastelaria registou mais tarde a patente da receia, e o segredo tem sido bem guardado até hoje.

Actualmente, apenas três pessoas estão a par da receita mágica – um pasteleiro que trabalha na casa há meio século, e dois ajudantes, da sua total confiança, que também ali estão há décadas. Eles tiveram que fazer um juramento e assinar um termo de responsabilidade em como não podiam ensinar o segredo.
Actualmente, é fabricada uma média de 10 mil pastéis diários. Segundo os pasteleiros da casa, o que distingue os Pastéis de Belém dos pastéis de nata normais que se vendem em outros estabelecimentos é, além da receita com as proporções certas, o investimento no trabalho manual e os ingredientes de primeira qualidade – farinha, açúcar, leite e ovos.

O processo de fabrico continua a ter o seu lado artesanal. A massa é moldada nas formas à mão por um grupo de mulheres, que poderiam ser substituídas por uma máquina se não fosse a preocupação com o método artesanal que faz parte da filosofia da casa."

Fonte: http://www.visitlisboa.com/DocesTradicionais.aspx






Seja como for deixo-vos com os meus Pastéis de Nata, os que me foram possíveis e gostaria muito de vos ler e saber das vossas sugestões a respeito da massa folhada.

Já alguma vez fizeram ?
Como fizeram para que corresse bem ?


Ingredientes:


MASSA:


  • 250 gr. de farinha de trigo sem fermento
  • 50/60 ml de água gelada
  • 200 gr. de manteiga sem sal
  • 1 colher de chá de sal
  • farinha para polvilhar


RECHEIO:


  • 30 gr. de farinha de trigo sem fermento
  • 250 ml de leite
  • 250 gr. de açúcar
  • 100 ml de água
  • 3 gemas de ovos
  • 1 casca de limão
  • 1 pau de canela






Preparação:


RECHEIO:

Desfazer as 30 gr. de farinha com um pouco do leite num tachinho, de modo a não criar grumos.
Ferver o resto do leite com o pau de canela e a casca de limão.
Deitar o leite fervido, em fio mexendo sempre, sobre a farinha dissolvida e levar este preparado a ferver em lume moderado, sempre mexendo com uma vara de arames para não pegar ao fundo.
Quando levantar fervura tirar do lume.
Misturar o açúcar com a água, levar ao lume, deixar ferver por 3 minutos exactos (a partir do momento em que começar a ferver) e tirar do lume.
Misturar a água fervida (deixar cair em fio) com o preparado de leite e farinha, mexendo bem.
Reserve.
(As gemas só entram quando tudo estiver pronto para ir ao forno)



MASSA:


1 - Deite a farinha numa superfície limpa e seca e faça um círculo no no meio onde irá colocar a manteiga cortada em cubos pequenos.
Reserve a água bem perto para começar a adicioná-la à medida que a massa for ganhando forma... 

2 - Com as pontas dos dedos (ou um garfo) vá misturando a manteiga com a farinha.
Comece a adicionar a água quando a massa ficar com uma aparência meio seca e em pedaços. 

3 - Poderá não precisar de adicionar toda a água indicada, apenas metade, para obter uma massa com a textura pretendida. Forme uma bola, enrole em película aderente e leve ao frigorífico por 20 a 30 min. 


4 - Retire a massa do frigorífico e abra-a com o rolo sobre uma superfície levemente enfarinhada. 

Quando necessário vá polvilhando a massa e o rolo com farinha, aos poucos, mas não exagerar na adição de farinha. Forme um rectângulo com cerca de 20x40cm.

5 e 6 -  Dobre o rectângulo de massa em três: a parte de cima até ao meio e a parte de baixo para cima da primeira, formando uma dobra de carta.

7 - Vire a massa dobrada de modo a que ela fique perpendicular a si e abra-a mais uma vez até formar um novo rectângulo igual ao primeiro. Repita a dobra em carta (passos 5 e 6), marque a massa com os dedos para deixar claro que já a dobrou duas vezes e enrole-a em película aderente para ir ao frigorífico por mais 20 a 30 min.










9 - Abra a massa mais uma vez até formar outro rectângulo que agora já será maior. 
Dobre e vire pela terceira vez e abra mais uma vez outro rectângulo do mesmo tamanho do último. 
Dobre a massa mais uma vez - esta é a quarta e, eventualmente, a última dobra.
Enrole a massa dobrada na película, marque quatro com os dedos e leve ao frigorífico por mais 40 minutos.

10 e 11 - Se preferir, pode fazer 6 dobras em vez de apenas 4, basta seguir os passos anteriores para dobrar e levá-la ao frigorífico por mais 30/40 minutos. (eu fiz as 6 dobras)

Para garantir que a massa folhe por igual é essencial que vá ao frigorífico entre cada 2 dobras, e que seja riscada antes de ir ao forno (fazer uns cortes com uma faca na superfície da massa).

12 e 13 - Volte a abrir a massa em rectângulo e enrole-a num rolo comprido.

 
14 - Se não usar toda a massa imediatamente, corte-a e congele-a separadamente. O que fiz foi esticar a massa que sobrou, colocá-la em cima de papel vegetal e enrolar a massa com o papel vegetal.
Pode congelar-se assim a massa e quando for preciso, e enquanto o forno aquece, colocamos a massa a descongelar, desenrola-se e usa-se a gosto. 

A massa já feita e enrolada pode ficar no congelador por até 4 meses e no frigorífico por 5 dias.






15 - Com o rolo que fez (figura nº 13), corte-o em rodelas de cerca de 1,5cm de espessura.


16 e 17 - Colocar essas rodelas dentro das formas e com os polegares começar a pressionar o centro da massa, andando sempre à volta obrigando-a a esticar e a estender-se por igual até aos bordos (o bordo de cima deve ficar mais grosso uma vez que é aí essencialmente que a massa vai folhear). Assim, no fundo e lados a massa fica mais fina e nos bordos superiores mais grossa. 
A massa deve subir um pouco acima dos bordos das formas.

18 - Colocar as formas num tabuleiro.

Nesta altura misture as 3 gemas de ovo ao creme, mexa e passe esse preparado por uma rede.
Encha as formas com o creme a cerca de 3/4 da profundidade das formas.






19 - Levar ao forno (pré-aquecido durante uns 20 minutos) muito quente (cerca de 250º C) somente uns 15 minutos até ficarem douradinhos.







Bom Apetite ! 













Fontes:  Teleculinária nº 65 - Fevereiro de 1978
http://nosoup-foryou.blogspot.pt/2009/09/massa-folhada-caseira.html









59 comentários:

  1. Eu também adoro pastéis de nata!
    Mas é tão raro fazer, e quando fiz foi com massa folhada de compra. Chiça que essa dá imenso trabalho.
    Ficaram lindos!
    bjinhos

    ResponderEliminar
  2. Gosto tanto de pasteis de nata que sou capaz de comer uma embalagem de 6 de seguida~:) Os teus ficaram com um aspeto ótimo. Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Bom dia Isabel querida,
    Adorei as aulas, a de história e a de preparação dos pasteis de natas, sem dúvida é um post a recordar, parabéns.
    Tive o prazer de já ter saboreado esses deliciosos pasteis na origem, em Belém, são deliciosos, assim como estes de natas.
    Beijo,
    Vânia
    Beij

    ResponderEliminar
  4. Nunca fiz massa folhada.
    Também tento não a usar muito, devido a ter muita gordura.
    Os teus pasteis, parecem-me muito bem, claro que pessoalmente verás melhor que nós o efeito da massa, mas olha que os teus já faziam um brilharete em algumas pastelarias.

    Já há algum tempo, que não vou aos Pasteis de Belem, mas adoro, e ninguem consegue lá ir e comer só um...
    Uma deliciosa participação e uma exelente escolha.

    Beijocas
    Paula

    ResponderEliminar
  5. Eu morei durante alguns anos muito perto dos pasteis de Belém mas confesso que nunca me atraitam muito. Penso que já não são a mesma coisa, o sabor não é o mesmo, pelo menos a meu ver! :)
    Quanto aos pasteis de nata, cada vez que vou a Portugal é das primeiras coisas que faço, um café com a sua companhia...que delicia!
    Nunca fiz massa folhada em casa, pois tenho lido imensos relatos semelhantes ao teu e ainda não tive coragem de arriscar! Mas aqui está tudo muito bem explicado que até parece simples, obrigada!
    Mas sinceramente, pelas imagens parecem-me bem e tão bons... pudesse eu roubar um ou dois e ia ficar tão feliz!! :)

    ResponderEliminar
  6. Adoro pastéis de nata! E estes ficaram bem bonitos :)

    ResponderEliminar
  7. Fiz massa folhada há 20 anos quando tirei um curso de pastelaria.
    Dava trabalho mas eu adorava fazer, também abria-mos assim a massa na forma.
    As natas ficaram lindas
    bjs

    ResponderEliminar
  8. Isabel,
    a massa pode não ter ficado folhada como as de compra, mas tenho certeza que valeu a pena ter realizado a receita do inicio ao fim.
    Obrigada por partilhar a historia e a receita.
    Beijos

    ResponderEliminar
  9. Massa folhada nunca fiz. Já ouvi falar que se usa uma margarina própria para folhados. Talvez faça a diferença. Mas apesar de a massa não ter folhado, acredito que ficaram saborosos na mesma. Parabéns pelo passo-a-passo.
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Ficaram tão bonitos!
    Gostei de saber mais sobre os pastéis de nata e admiro a tua paciência e persistência para fazer a massa folhada

    ResponderEliminar
  11. Também sou fá de pastéis de nata mas, sou sincera, pelo trabalho que eles dão, prefiro comprá-los! Os teus ficaram com um aspeto delicioso e crocante! Comia já dois, a acompanhar o cafézinho!!
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Olá Isabel,
    Adoro pasteis de nata e de belém nem se fala ;)
    Para piorar a situação, como dois de seguida :)
    Os teus estão com um aspecto excelente!!!!
    Bjs :)

    ResponderEliminar
  13. Olá, Isabel!
    Estes teus pasteis de nata ficaram com um aspecto magnifico, confesso que também são um pouco o meu calcanhar de aquiles... Levo um pastelinho comigo!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Olá querida Isabel :)
    Eu adoroooo pastéis de nata, são simplesmente o meu doce favorito, o meu pecado adorado ;)
    E digo-te que os teus estão com um aspeto de comer e chorar por mais :)
    Podes não ter ficado 100% feliz com a tua massa folhada mas aposto que o sabor desses docinhos está fantástico :)

    Olha eu nunca fiz massa folhada caseira porque sempre achei que era daquelas coisas dificílimas, das quais deveria fugir a sete pés... mas, há uns dias, vi uma publicação da Lia sobre uma massa folhada rápida e que tinha um aspeto fantástico. Vai ver neste link : http://lemonandvanilla.blogspot.pt/2014/03/minute-puff-pastry-massa-folhada-rapida.html

    Anotei logo a receita e vou experimentà-la :) Espero que te ajude também :)
    Beijinhos
    Vânia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Vânia, pelo carinho e pela informação. :)

      Embora eu tenha esse link da Lia também para testar (aliás disse-lo inclusivamente), tinha esta receita há mais tempo e quis fazê-la em primeiro lugar da forma mais tradicional a ver se resultava comigo.
      A da Lia testarei oportunamente também. :)

      Um beijinho *

      Eliminar
  15. Querida Isabel,
    adoro pastéis de nata! Apesar de gostar muito de bolos em geral costumo pedir um pastel de nata se for a uma pastelaria!
    O que podia ter sido chato, fazer a receita duas vezes eu se vivesse aí em casa acharia óptimo! Comer duas vezes pastéis de nata :) O sabor certamente estava delicioso, a massa não folhar é o menos!!
    Eu nunca fiz pastéis de nata!
    Fiz croissants folhados e a massa sempre saiu bem!
    Tenho uns pastéis de nata para fazer nas minhas listas mas ainda nunca os fiz!
    Quando os levar para a cozinha venho dizer-te como correram!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  16. Oh Isabel...:D

    Isto não se faz...gosto tantooooo de pasteis de nata,e sempre que fui a Lisboa lá ia aos pasteis de Belém! Agora ia bem com um cafézito...

    Foi uma excelente escolha para este desfile de doces tão bons...e principalmente é de louvar o esforço que dedicaste ao fazer a massa folhada de raiz! Nunca fiz, mas quero fazer, até porque acho que não deve ser difícil, é talvez aborrecido por ter várias etapas...não te posso ajudar nas dicas, mas talvez seja a temperatura da manteiga ou até a temperatura ambiente onde a estavas a fazer, não faço ideia...

    Vê esta receita de massa folhada, é uma receita que irei fazer de certeza, ficou super folhada: http://www.laurainthekitchen.com/recipes/croissants/

    Ps: Ficaram de qualquer das maneiras umas natas perfeitas para o lanche!

    ResponderEliminar
  17. Olá Isabel
    Quando li "Pasteis de Nata" lembrei-me logo dos que eu já fiz duas vezes e quando chego ao final do teu post e vejo a fonte da Teleculinária de 1978, é precisamente a recita que eu tenho ehehe
    A primenra vez que fiz os pasteis de nata ainda se encontrava com facilidade essa manteiga para folhados e a coisa correu bastante bem, da segunda vez que os fiz já não encontrei a dita manteiga e usei uma normal (já não me lembro qual) mas os pasteis também não ficaram nada mal, apesar da massa não ter ficado tão folhada como é habitual.
    Adorei as fotos dos teus, parecem bem apetitosos
    Ainda bem que não desististe
    Beijokas

    ResponderEliminar
  18. Querida Isabelinha que post mais delicioso de se ler, adoro pasteis de Natas, adorei a história, provei uns deliciosos em uma doçaria que faz doces portugueses em São Paulo, mas com certeza os tradicionais são bem mais gostosos. O passo a passo está muito bem explicadinho e detalhado, dá um certo trabalho, e pode até não ter ficado ao seu gosto, mas certamente ficaram deliciosos a julgar pela aparência linda que ficaram. Eu já estive aqui, li o seu post e estou voltando novamente, pois tenho uma vizinha que faz croissants para vender e ela faz uma massa folhada perfeita. Pedi a ela a receita e ela me disse que tirou do site que estou lhe mandando. Gosto muito dessa moça que ensina, até tenho uma receita para publicar dela, vi a receita e o modo como ela faz e é praticamente igual ao que vc ensina aqui. A única diferença é que ela coloca manteiga derretida. Será que faz diferença? Se quiser dar uma olhada e puder te ajudar de alguma forma segue o link do vídeo abaixo mas achei muito parecido com o que vc ensinou. De qualquer forma adorei sua participação. Ficaram mesmo lindos. Beijinhos

    https://www.youtube.com/watch?v=9zsoNmPQ8_U

    ResponderEliminar
  19. Folheada ou não, só o prazer de comer algo feito de raiz por nós próprios, acho que é inigualável. Eu gostei muito!
    Bjs

    ResponderEliminar
  20. Amiguinha,
    nunca fiz massa folhada e acredito que a vida é demasiado curta para me dedicar a ela :)e só de ver os passos da tua canseira :) mais acredito no meu lema :)
    Não há dúvida que és persistente (e teimosa :) ), isso já sabemos, mas ainda bem porque nos delicias com estes pastéis que tanto adoro.
    Aposto que não torceram o nariz aí por casa?!
    Muitas vezes ao fim de semana, quando vou tomar café, peço sempre uma nata para acompanhar e agora seria ótimo fazê-lo em tua companhia :)
    Ficaram lindos, tão sedutores e perfeitos que nem a culpa me "atazanava" se comesse mais dúzia deles :)
    Bjns
    Isabel

    ResponderEliminar
  21. Minha querida Isabel, não havia razão nenhuma para desistires ou baixar os braços. Estão tão lindos os teus pastéis de nata. Eu nunca me atreveria a fazê-los. Muitos parabéns pela persistência e ousadia. E por tudo, pelo carinho, as visitas ao meu blogue, e a dinamização do Dia Um.
    Muitos beijinhos, linda :)

    ResponderEliminar
  22. É bom saber os detalhes todos. Só te digo que ficaram ÓPTIMOS...
    Beijinhos
    Cláudia

    ResponderEliminar
  23. Isabel valeu a pena tentar novamente e pois ficaram lindos, adorei as fotos a mostrar os passos todos da criação dessa doçaria que tanto gosto mas que acho pequena demais para comer só um, lindas unhas a por a massa nas forminhas..eheh, a foto premiada é a 19! Já liguei a máquina de café!
    Bjs

    ResponderEliminar
  24. Querida Isabel, se eu já tinha ficado maravilhada com o aspecto dos pastéis, depois de ler toda a história e sobretudo de ver o admirável passo-a-passo que publicaste, fiquei cheia de admiração pela tua arte! Isto não é para qualquer um, não é de certeza para mim, apesar de os pastéis de nata me fazerem suspirar de prazer quando os como... Adoro, adoro pastéis de nata e os teus ficaram lindissimos! A massa, apesar de não ter folheado como querias, deve estar deliciosa, e eu comi já, para começo de conversa, dois... parece-me que não estou a pedir muito :)
    Um grande beijo

    ResponderEliminar
  25. Tenho um amante por pasteis de nata aqui em casa, que é o meu marido, e posso dizer-te que se eu fizesse uns pasteis de nata com o aspecto que ficaram os teus, acho que seriam devorados praticamente na integra por ele :)
    Admiro muito a paciência e o trabalho que dedicaste para fazer estes pasteis, e percebo a tua reacção, pois eu sou como tu nesse aspecto, se o resultado não corresponde inteiramente às nossas expectativas, também fico desiludida!
    Massa folhada é uma daquelas receitas que coloquei como um dos objectivos para fazer neste ano, a ver vamos se terei mais sorte do que tu.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  26. wuau estao mt bonitos bem que ja comia dois delicia adorei bjs bs

    ResponderEliminar
  27. Não podia sair da net sem vir ver os teus maravilhosos Pasteis de Nata. Ficaram mesmo muito perfeitinhos. Ainda por cima foste tu que fizes-te a massa? Menina prendada. Os meus parabéns. Ficaram perfeitinhos mesmo e deliciosos de certeza.

    Beijinhos e até já. :*

    Aurea Neves

    ResponderEliminar
  28. Querida Isabel: penso que não há em Portugal ninguém que não goste de pastéis de nata. O contraste do crocante da massa com o recheio cremoso é qualquer coisa de fenomenal. Quero dar-te os parabéns por teres tentado ( e conseguido) reproduzi-los de forma tão perfeita! A minha mãe costumava fazer massa folhada com uma margarina própria para folhados, que infelizmente deixou de se vender por aqui.Vi a receita da Lia e já a experimentei e esta tua está muito bem explicada e ficou também maravilhosa. Que bom poder saborear estas pequenas delícias ainda morninhas!!!
    Bjn
    Márcia

    ResponderEliminar
  29. Olá querida Isabel,
    Antes de mais deixa-me parabenizar-te pela tua escolha. Apesar de ser um clássico e de ser provavelmente dos doces regionais mais conhecidos, a verdade é que ninguém consegue dizer que não a um bom pastel de nata. É um doce que não deixa ninguém indiferente e que já se celebrizou além fronteiras.
    Estás de Parabéns também por teres feito a massa folhada de raíz, não é para todos, e digo-te já que eu não teria paciência para tanto. Nunca fiz massa folhada e talvez nunca me aventure a fazê-la.
    Mas olha, os teus pastéis de nata estão perfeitos e acredito que estejam ainda mais saborosos do que muitos que se vendem por aí. Quanto à apresentação, não poderia estar mais sublime e irresistível. Foi muito bem escolhido e agora percebo a tua frustação de cada vez que comentavas a tua indecisão em relação a participar neste desfile. Mas valeu pela persistência, pois o resultado está à vista e é divino.
    Obrigado por manteres o espirito neste grupo e conosco partilhares deliciosas iguarias. ;)
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  30. Que trabalheira, amiga... mas ficaram bem bonitinhos e esse recheio está com uma cor maravilhosa! Uma delícia estas pequenas tentações!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  31. Eu adoro pasteis de nata e acho que os pasteis de Belém são o "topo de gama" deste género de bolo.

    Admiro a persistência e a dedicação da Isabel!

    Está de parabéns, os pasteis têm excelente aspeto!

    Acompanho faz algum tempo o blog do chocolate sem fazer ideia de quem seria a sua "mãe".

    Parabéns, novamente, pelos seus blogs! Sou fã!

    beijinhos

    ResponderEliminar
  32. Uma publicação muito interessante, a história dos Pasteis de Belém, e saber como este segredo é tão protegido.
    O passo a passo está muito bom. Lembro-me de há muitos anos ter tentado fazer a massa folhada dos pasteis de nata. Não foi uma experiência muito interessante, e nunca mais voltei a tentar. Há massa folhada muito boa e já pronta.
    Quanto aos pasteis de nata, são um ótima escolha, são o nosso cartão de visita, são uma verdadeira iguaria, praticamente irresistíveis.
    Um grande beijinho

    ResponderEliminar
  33. Hummm querida amiga, gosto muito de pastei de nata e os de Belém são dos que mais gosto mesmo !
    Excelente participação Isabel, adorei .
    Beijinho grande e bem docinho!

    ResponderEliminar
  34. Estão mesmo bonitos!!! De facto, nunca arrisquei fazer a massa, acho demasiado trabalhoso e eu sou preguiçosa ;)
    Beijinhos e manda uma dúzia para cá!!!

    ResponderEliminar
  35. Nunca fiz massa folhada e confesso que depois de ler a tua descrição não sei se vou coragem para experimentar :) é preciso determinação para fazer isto tudo duas vezes. Mas, mesmo que a massa não tenha ficado como querias, acredito que os pastéis devem ter ficado uma delícia e que não deve ter sobrado nenhum, certo?

    Beijinhos, Paula
    http://cookit-simple.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  36. Isabel minha doce e querida amiga,
    sempre tive vontade de fazer esses pastéis, obrigada pela receita
    e passo a passo, farei brevemente.
    Os seus pastéis estão lindos e irresistíveis, belas fotos!
    Parabéns pela receita e participação, como sempre vc arrasa!

    Bjs, sucessos sempre ♥

    ResponderEliminar
  37. Isabel querida,

    deixa-me dizer te antes de qualquer comentários a estas delicias, que adoro todas as tuas receitas retiradas da teleculinária, tal como tu tenho muitas e antigas e às vezes dou por mim a procurar uma receita em algum livro bem actual mas acabo sempre nestas relíquias.
    Pois massa folhada nunca fiz, faz me tanta confusão aquelas voltas todas, e por isso muitos parabéns, mas mesmo assim, vou perguntar a uma colega que dá aulas de pastelaria, se conseguir uma receita eu mando.
    Compro sempre no Lidl a massa é das que mais gosto, ou então peço na padaria e essa sim é sucesso.
    Ficaram lindas e esse creme é tão bom, perfeitas mesmo que saudades de ir a Belém.
    As fotos essas Isabel estão um encanto.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  38. Ola Isabel! Nunca fiz massa folhada! E pasteis de nata tao pouco! o meu pai costuma fazer uma tarte de pastel de nata que nao é bem a mesma coisa mas que fica sempre deliciosa! Mas se nunca pus maos à massa é mais pelo facto de ter de respeitar os tempos de repouso... e eu sou um tanto impaciente!!! lol!! Em todo o caso, os teus pasteis ficaram com um aspecto super delicioso!! E quem sabe à 8a tentativa la consegues!! eheheh!! Beijinhos!!! :-)

    ResponderEliminar
  39. Olá Isabel,
    Olha, eu fiz aquela que viste lá no meu blogue (já a fiz várias vezes) e digo-te, lamina maravilhosamente e saiu e sai perfeita em todos os aspectos. Sinceramente, não sei que novidade é essa de margarina ou manteiga especial para massa folhada, pois desde que o mundo é mundo, que a massa folhada é feita com manteiga normal, com sal e de boa qualidade e nada mais...
    Pelo que vejo nas tuas fotos, acho que esfarelaste demasiado a manteiga com a farinha, porque o que faz a massa laminar é precisamente as bolsas de manteiga que ficam por entre as camadas e que depois explodem no forno,criando a laminação.
    Se reparares nas minhas fotos, vês que a manteiga está praticamente intacta e só envolvida na farinha.
    Um bom truque para perceber se a massa vai ficar bem e laminar, é quando a estás a estender e vês aquele efeito marmoreado na massa.
    Bom, de qualquer modo, os teus pasteis de nata ficaram tentadores e são também a minha grande paixão e olha, estando longe do país, ando sempre a tentar encontrar a receita de pastel de nata perfeita!!
    Beijinhos grandes querida,
    Lia.

    ResponderEliminar
  40. Olá Isabel!
    Eu adoro pasteis de nata. Mesmo muito. Adoro comer com canela.
    Os de belém só gosto deles morninhos, acabadinhos de comprar, são uma perdição mesmo, mas depois de frios perdem a graça, não sei, nunca me sabem tão bem como um pastel de nata.
    Acho bem teres feito a massa, eu nunca experimentei!
    A Lia acabou de te dizer, mas era essa a minha sugestão, ires ver a que ela fez há pouco tempo no blog, parece fácil e funciona bem. Quero ver se experimento.
    Que ficaram lindos ficaram e já comia uns dois!
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  41. Muitos parabéns pelo trabalho e dedicação! Compensou porque ficaram lindos os pastéis! beijinhos

    ResponderEliminar
  42. Olá Isabel,
    que lindos pasteis de nata, perfeitos, hummmmm... que vontade de experimentar!
    Eu só fiz massa folhada uma vez, achei muito trabalhosa e se for um dia de muito calor ai é que não funciona mesmo rsrs.
    Bjs

    ResponderEliminar
  43. Olá Isabel,
    Ficaram excelentes os teus pastéis! As fotos estão lindas :)
    Confesso que sou apreciadora de Pastéis de Nata. Também nunca fiz massa folhada, por ser muito trabalhosa, apesar de estar inserida numa família de gente prendada que se dedica à cozinha 100% caseira, como é caso da minha Mãe que muito admiro ;)
    Ando sem tempo para nada e tenho optado pelo simples e rápido de elaborar.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  44. Ola Isabelinha

    Antes de falar da massa folhada minha linda deixa-me dizer-te que o bolo que eu mais apreciso na pastelaria tal como tu sao os pasteis de nata , adoro simplesmente... tb tal como tu ja tive a oportunidade de ir comer pasteis de beles á sua origem e sou completamente apaixonada com a bela canela por cima... os teus estao com um aspeto maravilhoso e nada de te lamentares que eles nao ficaram em nada atras desses das pastelarias... pelo contrario ficaram ainda melhores, pois foram feitos com muito amor e carinho em casa!!!

    Quanto á massa folhada, realmente ela dá imenso trabalho, eu ja fiz, mas sempre que posso deixo essa tarefa para a minha mae!!! Usamos uma manteiga que ha propria para folhar a massa, mas eu costumo compra-la ao meu cunhado que é pasteleiro... no livro base da Bimby vem lá uma massa folhada feita com manteiga gelada, essa eu ja experimentei e fica muito boa tb!!!

    Beijocas minha amiga linda!!


    Margarida

    ResponderEliminar
  45. Querida Isabel!
    Foste mesmo corajosa, fazer massa folhada, resulta sem esforço quando se faz com muita frequência, mas a tua ficou linda e resultou na perfeição. Gosto de muito poucos bolos de pastelaria e além dos com chantily, o pastel de nata é o eleito e sempre. Compuseste muito bem o teu post com a sempre curiosa história dos pasteis de Belém. Estás de parabéns.
    Beijinho muito grande

    ResponderEliminar
  46. Uau, Isabel!
    Que lindos ficaram esses pastéis de nata!
    E ainda por cima fizeste a massa folhada!!! Nunca fiz...Qualquer dia aventuro-me!
    Adorei a tua sugestão e gostei muito das fotos, passo a passo.
    Beijinhos

    Sílvia
    http://bocadinhosdeacucar.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  47. Que pastéis tão lindos, Isabel! Eu nunca fiz massa folhada caseira, dá tanto trabalho!
    Foste uma mulher valente em aventurar-te nisso e não desistires :)
    Ficaram com um aspecto delicioso, eu adorei!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  48. Olá Isabel, os pasteis de nata ficaram lindissimos e acredito que saborosos. E ainda por cima com a massa folhada feita por si... fantástico, nunca me coloquei a fazer massa folhada... quem sabe se agora não tenho coragem para me aventurar :)

    Beijinhos

    Ana Matos http://donadeliciaatelierdesabores.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  49. Olá querida Isabel:)

    Que lindos pastéis de nata! Adoro e estão tão deliciosos - já comia:)
    A massa é trabalhosa, eu nunca fiz, mas pelo aspecto da tua acho que ficou perfeita. Que delícia!!!

    Boa semana!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  50. Minha querida, eu amoooo pastéis de nata, mas nunca me aventurei a fazê-los, principalmente da forma como você os fez, desde a confecção da massa folhada, que é bem trabalhosa. Para mim seria um grande desafio...quem sabe um dia desses me arrisco...rsrs. E posso te afirmar que, mesmo que a massa não tenha ficado tão folhada como você esperava, seus pastéis ficaram muito lindos e tentadores, me deixaram com um enorme desejo de provar. Beijinhos minha linda amiga!!

    ResponderEliminar
  51. Olá, Isabel!
    Apesar dos contratempos, os teus pasteis de nata ficaram com um ar muito apetecível, parabéns :)
    Partilho a mesma opinião, os pasteis de Belém são de facto uma iguaria inigualável.
    A massa folhada nunca fiz, sei que é muito trabalhosa e morosa, talvez por isso ainda não me tenha aventurado...
    Beijinhos
    Margarida

    ResponderEliminar
  52. Oi amiga, eu nunca fiz massa folhada e tenho muita vontade de fazer pasteis de nata, mas hoje, eu comeria uns 20 desses teus que me parecem deliciosos.
    Bjsssssssss amiga

    ResponderEliminar
  53. Acho realmente que não conheço ninguém que não goste de pastéis de nata ou pastéis de Belém :) São tão bons, com a canela, o exterior crocante e o interior cremoso :)
    Fazer massa folhada é realmente uma grande empreitada... Eu nunca experimentei, e sinceramente, depois de ler as receitas, dou graças a Deus por existirem as massas folhadas de compra eheheh Ainda assim, os pastéis ficaram mesmo bonitões :)

    Beijinhos
    Raquel
    http://amor-as-camadas.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  54. Oi Querida
    Eu vi agora esta receitinha.... Vou fazer.........
    Adoro pasteis de nata.... Quando venho para o Portugal eu como até morrer....
    E' a coisa mais deliciosa deste mundo...
    Um abraço.
    thais

    ResponderEliminar

Obrigada por ter vindo e pelo tempo que disponibilizou a comentar.
Volte sempre.